/

/

/

/

/

/

/

/

/

/

/

/

/

1

1

1
1

1

1

1

1


 









Economia

Mais de 23% dos veículos estão com o IPVA atrasado no Paraná

Dia 21/06/2022

Cerca de 23,5% dos veículos tributados no Paraná estão com o pagamento do Imposto sobre a Propriedade de Veículos Automotores (IPVA) em atraso, segundo dados da Secretaria da Fazenda e Receita Estadual.

A inadimplência dos proprietários em relação ao IPVA de 2022 representa R$ 1,23 bilhão em atraso, em relação ao total de aproximadamente R$ 5,2 bilhões a serem pagos neste ano, conforme o governo.

Em 2022, 4,6 milhões de veículos são tributados no estado. Os proprietários que não quitaram o imposto referente a este ano podem parcelar os valores em até 12 vezes, no cartão de crédito.

Sobre atrasos de anos anteriores, a possibilidade é de parcelar em até 10 vezes no cartão, desde que cada parcela seja de, no mínimo, R$ 127,31. A negociação ocorre pelo portal da Secretaria de Fazenda.

O calendário de pagamento do IPVA começou em 17 de fevereiro (para a primeira parcela dos veículos de placa com final 1 e 2) e terminou em maio (com a última parcela aos veículos com placa de final 9 e 0).

Segundo o governo, a multa prevista para os proprietários que atrasam o pagamento do IPVA é de 0,33% por dia de atraso e juros de mora com base na taxa Selic. Após 30 dias, a multa passa a 10% do valor do imposto.

Comércio local irá realizar arraiá

Dia 09/06/2022

O comércio de Quedas do Iguaçu, juntamente com a ACIQI – Associação Comercial e Empresarial da cidade, vão realizar o “Arraiá do Comércio”, o evento será realizado entre os dias 24 e 25 de junho.

Além dos descontos que serão praticados, os clientes vão poder saborear as comidas típicas da estação.

Novo reajuste na tarifa de água no Paraná

Dia 17/05/2022

O reajuste de 4,96% na tarifa de água e esgoto aprovado pela Agência Reguladora de Serviços Públicos do Paraná (Agepar), vale a partir desta terça-feira (17), aplicado pela Sanepar (Companhia de Saneamento do Paraná).

Segundo a Agepar, o reajuste acontece sempre em abril de cada ano e corresponde à revisão tarifária anual que irá impactar na tarifa mínima que vai passar a custar R$ 81,45. O último reajuste deste formato foi de 5,7% em abril de 2021.

Número de famílias endividadas tem o maior valor dos últimos 12 anos

Dia 10/05/2022

As parcelas de famílias endividadas (com dívidas em atraso ou não) e inadimplentes (com dívidas e contas em atraso) atingiram os maiores valores em 12 anos, em abril deste ano, segundo a Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC). Conforme os dados divulgados pela Agência Brasil, a pesquisa também aponta que o cartão de crédito é o principal motivo das dívidas. Entre as famílias endividadas, 88,8% têm dívidas com o cartão.

Os dados assustam e, por isso, a Tribuna foi atrás de dicas para ajudar as famílias a saírem do enrosco dos problemas financeiros de uma forma saudável. Quem conversou com a reportagem, em Curitiba, foi o professor coordenador dos cursos de finanças do ISAE Escola de Negócios, Pedro Salanek. Ele fez recomendações para o controle das finanças familiares e deu dicas de aplicativos financeiros que podem ajudar no planejamento 

Segundo o professor, o melhor negócio é sempre gastar menos do que se ganha. “É o básico. Mas muita gente se pergunta como fazer isso, com tanta alta de preços da gasolina, gás, alimentos. Mais ainda, a pandemia de coronavírus foi algo inédito deste período. Lá em 2010, que é de onde vem essa comparação de números para 2022, a semelhança são só os dados. Os motivos econômicos eram completamente diferentes”, explica Salanek.

Indo direto ao ponto, o professor dá dicas para os endividados e para quem não quer, de jeito nenhum, se endividar. “O primeiro passo é promover uma mudança de processos dentro de casa, como fazem as empresas quando precisam otimizar as produções. Tem que mexer na rotina, adorar uma forma que se torne natural com o tempo”, diz Salanek.

Recomendações pra fugir das dívidas:

Alterar a logística – Com o preço alto dos combustíveis, o transporte tem gerado gastos além do previsto. Uma forma de conter esse custo é analisar a logística da semana. “No domingo à noite, por exemplo, avalie os locais que dá ir e resolver vários assuntos com uma única visita. Veja quem vai de carona ou se o carro é mesmo necessário. Não parece, mas a logística bem feita faz diferença”, ressalta o professor.

Cartão de crédito não é financiamento – O grande vilão das dívidas costuma ser o valor dos juros do cartão de crédito. Se a pessoa deixa pra pagar apenas a parcela mínima, o resultado é a chamada “bola de neve” do endividamento. Salanek explica que os cartões de crédito são ferramentas de compras com a função de dar opção de data de pagamento fixa. A orientação é não usar de forma errada. “A pessoa tem que ter isso em mente. Há a facilidade de parcelamento de compras, mas não é empréstimo de dinheiro. É uma ferramenta de planejamento de pagamento. Usando da forma correta, o cartão pode auxiliar no planejamento financeiro. Se deixar acumular dívidas, aí vira vilão”, alerta.

Procure horários alternativos de lazer – Os horários nobres, como já se sabe, são os mais caros para atividades de lazer. Nesse caso, a dica do professor é: “não precisa parar de se divertir, mas busque datas e horários alternativos”. Isso vale para o cinema, por exemplo. “No fim de semana, é mais caro. Mas se a pessoa for em outros dias, pagará mais barato. São o mesmo cinema, as mesmas poltronas, o mesmo som, mesma pipoca e o melhor… É o mesmo filme. Pensar assim para qualquer outra atividade significa economia”, destaca Salanek.

Supermercado – Aqui, não há muita novidade. Para gastar menos, Salanek orienta a busca por alimentos substitutos que estejam mais em conta, fazer pesquisa de preço, comprar frutas e verduras de época entre outras práticas que o consumidor já conhece. “Porém, vale pensar na logística da semana. Almoçar em casa costuma sair mais em conta. De repente, se algum dia da semana for possível só sair de casa após o almoço, isso pode trazer economia”, diz.

Poupança – Vale aqui, de acordo com o professor, guardar um pouco do suado dinheirinho para realizar sonhos. Viagens, bens de consumo, até a compra de um celular novo requerem planejamento. “A pessoa pode fazer poupanças separadas para cada desejo que ela quer realizar. Lá no final, quando a hora chegar, o valor guardado será utilizado sem culpa. Só é preciso se organizar”, explica.

Planilhas – O controle financeiro pelo registro de ganhos e gastos deveria ser um hábito de todos. É com as chamadas planilhas que a pessoa vai enxergar se o barco da vida econômica vai bem ou se está prestes a afundar.  “O problema é que só de ouvir a palavra planilha a pessoa já se assusta, sente preguiça. Mas, hoje em dia, há vários aplicativos de celular que facilitam as anotações e controle financeiro”, aponta Salanek.

O professor destacou quatro apps que podem ajudar as famílias a se manterem firmes nas contas. Veja quais!

Mobills – É um dos mais populares, até por isso está no topo da lista de Salanek. “Ele ajuda nesse processo de educação financeira. Permite fazer a organização do seu planejamento, criar as metas e depois seguir acompanhando. Ele gera gráficos, gera relatórios, cria grupos de gastos como habitação, transporte, saúde. E faz a integração com o cartão de crédito, o que permite visualizar os pagamentos desses grupos criados, por exemplo”, destaca o professor.

Organizze – Esse aplicativo, segundo o professor, também é interessante, porém ele não possui tantas funcionalidades quanto o Mobills. “A interface também não é tão atrativa, mas acaba que isso é uma questão de gosto pessoal. A versão que é mais avançada é paga e tem mais funcionalidades que a gratuita”.

Minhas Economias – Esse é outro que é bem popular. Ele também gera gráficos, permite organizar o orçamento familiar por grupos e dá acesso a indicadores econômicos. “Poupança, dólar, CDI. Porém, como a versão é gratuita, aparecem vários anúncios de publicidade durante o uso. São esses anúncios que viabilizam a existência do aplicativo”, explica Salanek.

Guiabolso – É também popular. Faz a sincronização automática de conta bancária, do cartão de crédito para se ter controle dos gastos. “Tem essa facilidade de não ter que ficar digitando os valores, por causa da sincronização”, informa o professor.

Salanek finaliza dizendo que os aplicativos ajudam, que as pessoas podem se adaptar, mas o que fará diferença na vida financeira é a mudança de processos. “Esse hábito de se planejar é que precisa ir se construindo. O quanto antes, melhor, pois os mecanismos de consumo não dependem mais da pessoa sair de casa com o dinheiro ou o cartão no bolso. Eles estão na palma da mão. É aquele velho ditado: não vá ao supermercado com fome”, brinca o professor.

Pesquisa CNC

Segundo os dados publicados pela Agência Brasil, na última segunda-feira (2), o percentual de endividados chegou a 77,7% em abril, o maior nível desde o início da Pesquisa de Endividamento e Inadimplência (Peic), da CNC, em janeiro de 2010. Em abril de 2021, as famílias com dívidas eram 67,5%. Em março deste ano, eram 77,5%.

Já o percentual de inadimplentes chegou a 28,6%, o segundo maior nível da pesquisa, ficando abaixo apenas da taxa de janeiro de 2010 (29,1%). Em março deste ano, a parcela era de 27,8%, enquanto em abril de 2021 chegava a 24,2% (4,4 pontos percentuais abaixo do registrado em abril deste ano).

As famílias que não terão condições de pagar suas dívidas chegaram a 10,9% em abril deste ano, acima dos 10,8% do mês anterior e dos 10,4% de abril do ano passado. Essa também é a taxa mais alta desde julho de 2021, quando foram registrados os mesmos 10,9%.

O tempo de comprometimento com as dívidas ficou em 7,1 meses, abaixo dos 7,2 meses de março, mas acima dos 6,8 meses de abril de 2021.

Preço da gasolina nas 'alturas'

Dia 28/04/2022

O preço ao consumidor da gasolina comum subiu pela segunda semana seguida e atingiu o valor médio no país de R$7,270 o litro, o mais alto já registrado pela Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP).

O recorde anterior foi verificado na semana de 13 a 19 de março, quando o combustível estava sendo vendido a R$ 7,267, a primeira vez acima de R$ 7.

Dados do Sistema de Levantamento de Preços (SLP) da ANP indicam que, na semana entre 17 e 23 de abril, a média por região foi menor no Sul, com R$ 7,109, e maior no Centro-Oeste, com R$ 7,440. O maior valor encontrado para a gasolina foi R$ 8,559 e o menor, R$ 6,190. A pesquisa envolveu 5.235 postos de abastecimento.

Na semana anterior, o preço médio do litro da gasolina no país estava em R$ 7,219 e, na semana de 3 a 9 de abril, em R$ 7,192. O aumento verificado da segunda para a terceira semana de abril foi de 0,7%. Na semana anterior, o crescimento havia sido de 0,37%.

A escalada do preço da gasolina se acentuou no ano passado. A primeira vez que o litro da gasolina comum passou de R$ 5 foi em março do ano passado, quando os postos do país cobraram, em média R$ 5,484 pelo litro do combustível. Em setembro do ano passado, o valor atingiu R$ 6,078.

A política de Preço de Paridade Internacional (PPI) da Petrobras foi adotada em outubro de 2016, fazendo com que o preço dos derivados de petróleo no país fossem calculados com base nas variações no mercado internacional. O valor passou, então, a ser fortemente influenciado pelas mudanças no preço do dólar e do barril de petróleo e sujeito a reajustes mais frequentes, que chegaram a ser diários.

Banco Central libera consulta para 'dinheiro esquecido'

Dia 15/02/2022

O Banco Central (BC) retomou nesta segunda-feira (14), o sistema que permite a consulta a valores esquecidos em bancos e outras instituições financeiras funciona em novo endereço.  

Chamada de Sistema de Valores a Receber (SVR), a ferramenta passará a funcionar no site valoresareceber.bcb.gov.br, em ambiente desvinculado do Sistema Registrato, que hospedou o serviço nos primeiros dias de funcionamento.

Para evitar excesso de demanda, que derrubou o site do Banco Central na versão anterior do sistema, a consulta só poderá ser feita por quem tenha conta no Portal Gov.br, que fornece acesso a serviços públicos digitais.

O cadastro para ter a conta é gratuito e pode ser feito na área de login do Gov.br ou pelo aplicativo Gov.br, disponível para usuários de dispositivos móveis dos sistemas Android e iOS.

Existem três níveis de login no Portal Gov.br: bronze, prata ou ouro. Eles variam conforme o nível de segurança e a complexidade do serviço público pedido. Para resgatar o dinheiro esquecido nas instituições financeiras, será exigido nível prata ou ouro. O login do sistema Registrato, usado na primeira fase do serviço, não poderá mais ser usado no SVR.

O nível prata permite acesso com login único à maioria dos 3.583 serviços públicos totalmente digitalizados oferecidos pelo Portal Gov.br e garante acesso completo ao aplicativo Gov.br. Com alta segurança, esse nível pode ser obtido pela comparação da foto tirada no aplicativo com as imagens da base da Carteira Nacional de Habilitação.

Outra maneira de ativar o nível prata é por meio da validação dos dados pessoais de quem tem conta em um dos seis bancos conveniados ao Portal Gov.br: Banco do Brasil, Banrisul, Bradesco, BRB, Caixa Econômica Federal, Santander e Sicoob.

Como fazer?
O processo de recebimento do dinheiro consiste em duas etapas. Na primeira, o cidadão fará uma consulta no site valoresareceber.bcb.gov.br. Basta digitar o número do Cadastro de Pessoas Físicas (CPF) ou do Cadastro Nacional de Pessoas Jurídicas (CNPJ) para verificar eventuais quantias esquecidas em bancos e demais tipos de instituições financeiras.

Essa etapa dispensa o login do Portal Gov.br e pode ser feita a qualquer momento, a partir de hoje.Em caso de constatação de valores a serem sacados, o SVR informa a data para o usuário entrar novamente no sistema. Nessa segunda etapa, será necessário digitar o login da conta Gov.br para verificar a quantia a receber e pedir a transferência do dinheiro.

Caberá ao cidadão escolher a forma de transferência, que poderá ser feita por Pix. Se o usuário não indicar uma chave Pix, a instituição financeira escolhida poderá contatar o correntista para fazer a transferência.

Prazo
O BC explicou que valores esquecidos nos bancos serão devolvidos apenas a partir de 7 de março. Caso o cidadão perca a data informada, deverá recomeçar o processo do zero, repetindo a consulta no site e esperando o sistema informar nova data para o retorno.

Orientações
Para evitar fraudes, o Banco Central informa que o único site disponível é o valoresareceber.bcb.gov.br. O cidadão deverá tomar cuidado para não entrar em páginas diferentes. O órgão também esclareceu que não entrará em contato com nenhum usuário, nem enviará links por SMS, Whatsapp, Telegram ou e-mail para confirmar dados pessoais ou tratar de valores a receber.

A única situação em que haverá contato com o correntista será no caso de a transferência não poder ser feita por Pix, mas a comunicação será feita pela instituição detentora do dinheiro, sem nenhum pedido de confirmação de dados ou de senhas.

Por fim, o BC esclarece que o processo de resgate de valores esquecidos é gratuito. O usuário jamais deverá fazer qualquer pagamento para consultar o montante a receber nem para sacar o dinheiro. Qualquer pedido nesse sentido configura golpe.

Rato prorroga congelamento do ICMS sobre os combustíveis

Dia 27/01/2022

O governador do Paraná, Ratinho Júnior (PSD), assinou nesta quarta-feira (26) um documento conjunto com outros 19 governadores definindo a continuidade, por mais dois meses, do congelamento do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) sobre os combustíveis.

O primeiro congelamento, que teve início em 1º de novembro de 2021, venceria na próxima segunda-feira (31). Em 14 de janeiro, os governos estaduais, incluindo o Paraná, chegaram a anunciar que não manteriam a medida.

A nova decisão foi tomada nesta quarta, no Fórum de Governadores. 20 dos 27 governadores do país assinaram o documento. No Paraná, segundo o governo, as alíquotas de ICMS praticadas chegam a 29% sobre a gasolina e a 12% no caso do diesel.

O estado informou que o intuito de prorrogar esta medida é para criar "soluções estruturais para a estabilização dos preços dos combustíveis".

De acordo com informações do governo, para vigorar, a decisão deve ser validada pelos secretários estaduais de Fazenda. A deliberação final está prevista esta quinta-feira (27), em reunião do Conselho Nacional de Política Fazendária (Confaz).

Primeira parcela ou pagamento à vista do IPVA 2022

Dia 18/01/2022

Os contribuintes paranaenses tiveram até o dia 17 de janeiro, para efetuar o pagamento do IPVA 2022 à vista com 3% de bonificação ou optar por parcelar em cinco vezes, com o vencimento da primeira parcela na próxima semana. As guias para pagamento podem ser emitidas pelo portal da Secretaria de Estado da Fazenda (Sefa), neste link.

Neste ano a principal novidade é a possibilidade de pagamento via pix. A quitação pode ser feita nos canais eletrônicos de qualquer instituição bancária ou mesmo por meio de aplicativos. A alíquota do tributo é de 3,5% ou 1% do valor do veículo, dependendo do tipo.

Quem optar pelo parcelamento do pagamento do IPVA 2022 deve ficar atento aos prazos de vencimento das parcelas em fevereiro, março, abril e maio.

Confira o calendário de vencimento do IPVA 2022:

FINAL DE PLACA – pagamento à vista

1 e 2 – 17/01/2022;
3 e 4 – 18/01/2022;
5 e 6 – 19/01/2022;
7 e 8 – 20/01/2022;
9 e 0 – 21/01/2022;

FINAL DE PLACA – parcelado

1 e 2 – 17/01, 17/02, 17/03, 18/04, 17/05;
3 e 4 – 18/01, 18/02, 18/03, 19/04, 18/05;
5 e 6 – 19/01, 21/02, 21/03, 20/04, 19/05;
7 e 8 – 20/01, 22/02, 22/03, 22/04, 20/05;
9 e 0 – 21/01, 23/02, 23/03, 25/04, 23/05

Contribuição do MEI subirá

Dia 06/01/2022

A partir de fevereiro, os cerca de 13 milhões de microempreendedores individuais (MEI) registrados no país pagarão R$ 60,60 para contribuírem com a Previdência Social. O aumento, de 10,18%, segue o reajuste do salário mínimo, que passou de R$ 1,1 mil para R$ 1.212 em 1º de janeiro.

O reajuste valerá apenas para os boletos com vencimento a partir de 20 de fevereiro. A cota deste mês, que vence em 20 de janeiro, continuará a ser paga pelo valor antigo, de R$ 55.

Profissionais autônomos com regime tributário e previdenciário simplificado, os microempreendedores individuais recolhem 5% do salário mínimo por mês para o Instituto Nacional do Seguro Social (INSS). O restante da contribuição mensal varia conforme o ramo de atuação.

Os trabalhadores que exercem atividades ligadas ao comércio e à indústria pagam R$ 1 a mais referente ao Imposto sobre a Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS), administrado pelo estado onde mora. Os profissionais que executam serviços recolhem R$ 5 a mais de Imposto sobre Serviços (ISS), administrado pelo município onde habita.

Ao contribuírem para o INSS, os microempreendedores individuais passam a ter direito à aposentadoria por idade, auxílio-doença, salário-maternidade, auxílio-reclusão e pensão por morte. Além disso, a Receita Federal fornece um Cadastro Nacional da Pessoa Jurídica (CNPJ) aos MEI, que podem emitir notas fiscais e obter crédito com condições especiais.

O boleto mensal do Documento de Arrecadação Simplificada do MEI (DAS-MEI) pode ser gerado no Portal do Empreendedor. As parcelas vencem no dia 20 de cada mês.

Dólar fecha em alta

Dia 23/12/2021

Em um dia tenso nos mercados externos, o dólar aproximou-se de R$ 5,75 e fechou no maior nível desde março. A bolsa caiu mais de 2%, influenciada por preocupações com o avanço da variante Ômicron do novo coronavírus e por dificuldades na aprovação de um pacote de investimentos em infraestrutura nos Estados Unidos.

O dólar comercial encerrou esta segunda-feira (20) vendido a R$ 5,743, com alta de R$ 0,058 (+1,02%). A cotação chegou a operar próxima da estabilidade durante a manhã, mas intensificou a alta durante a tarde, em meio ao acirramento do pessimismo no mercado externo.

A cotação está no maior nível desde 30 de março, quando tinha fechado em R$ 5,762. A divisa acumula alta de 1,9% em dezembro. Em 2021, a valorização chega a 10,68%.

O dia foi igualmente tenso no mercado de ações. O índice Ibovespa, da B3, fechou o dia aos 104.871 pontos, com recuo de 2,17%. Apesar da queda nesta segunda-feira, o indicador acumula alta de 3,05% em dezembro. No ano, as perdas chegam a 11,76%.

O mercado global teve um dia de nervosismo, em meio a receios de que o crescimento de casos de covid-19 provocado pela variante Ômicron obrigue os países a adotar novas medidas de restrição e de distanciamento social. Nos Estados Unidos, o anúncio de que um senador democrata pretende votar contra o pacote de investimentos em infraestrutura proposto pelo governo de Joe Biden contribuiu para ampliar o pessimismo internacional.

No Brasil, as negociações em torno do Orçamento de 2022 pesaram. O anúncio do valor do salário mínimo para o próximo ano, em R$ 1.210, e as negociações para incorporar R$ 2,8 bilhões para reajuste a forças federais de segurança estão sendo acompanhadas com tensão pelos investidores. Há o receito de que o Congresso ceda a pressões para o aumento de gastos públicos.

Servidores vão receber 3% de reajuste

Dia 21/12/2021

O governador Carlos Massa Ratinho Junior sancionou nesta segunda-feira (20) a lei ( 20.934/2021 ) que determina 3% de reajuste aos servidores públicos em 2022. O texto tramitou em regime de urgência na Assembleia Legislativa. O reajuste será implementado a partir de janeiro.

“Com o fim da pandemia, estamos retomando o reajuste dos nossos servidores, que diariamente se empenham para fazer funcionar o dia a dia do Governo do Estado. Por isso, começamos o ano de 2022 com o reajuste, que foi calculado dentro do que é possível ser executado com segurança financeira, garantindo também a saúde econômica do Estado”, afirmou o governador.

A lei revisa a programação implementada em 2019, que foi interrompida durante 2020 e 2021 em função da pandemia. O congelamento era uma condição para receber verbas federais para a manutenção dos serviços básicos de saúde para a população durante o período. A lei federal (lei complementar 173/2020) instituiu repasses emergenciais aos estados com veto ao aumento da folha até dezembro de 2021. Com o fim do veto, o Estado retoma o reajuste.

Na época, o pagamento da reposição salarial, escalonado até 2022, seria de 2% em 2020 e 1,5% 2021 e 2022, com impacto econômico estimado em R$ 1,8 bilhão. Agora, o reajuste leva em consideração o cenário econômico pós-pandemia. Ele deverá impactar financeiramente o Estado em R$ 786,3 milhões por ano, sendo R$ 459 milhões para servidores ativos e R$ 327 milhões para inativos. Atualmente, o Estado tem cerca de 150 mil servidores ativos e 133 mil inativos (aposentados e pensionistas).

Além disso, o Governo do Estado instituiu neste fim de ano um novo piso salarial para professores, promovendo aumento de quase 50% para a base da categoria, e um auxílio-alimentação de R$ 600 para todas as forças de segurança. Os pagamentos começam a ser realizados em janeiro.

Mercado financeiro projeta inflação de 10,18%

Dia 09/12/2021

A previsão do mercado financeiro para o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), considerada a inflação oficial do país, subiu de 10,15% para 10,18% neste ano. Essa foi a 35ª elevação consecutiva da projeção. A estimativa está no Boletim Focus de ontem (6), pesquisa divulgada semanalmente pelo Banco Central (BC), em Brasília, com a expectativa das instituições para os principais indicadores econômicos.

Para 2022, a estimativa de inflação subiu de 5% para 5,02%. Para 2023, a previsão passou de 3,42% para 3,50% e para 2024 foi mantida em 3,10%.

A previsão para 2021 está acima da meta de inflação que deve ser perseguida pelo BC. A meta, definida pelo Conselho Monetário Nacional (CMN), é de 3,75% para este ano, com intervalo de tolerância de 1,5 ponto percentual para cima ou para baixo. Ou seja, o limite inferior é 2,25% e o superior de 5,25%. Para 2022 e 2023, as metas são 3,5% e 3,25%, respectivamente, também com intervalo de tolerância 1,5 ponto percentual.

Taxa de juros

Para alcançar a meta de inflação, o Banco Central usa como principal instrumento a taxa básica de juros, a Selic, definida em 7,75% ao ano pelo Comitê de Política Monetária (Copom). Na última reunião do Copom deste ano, marcada para amanhã e quarta-feira (8), a previsão do mercado financeiro é que a Selic suba para 9,25% ao ano.

Para o fim de 2022, a estimativa é de que a taxa básica chegue a 11,25% ao ano. E para 2023 e 2024, a previsão é de Selic em 8% ao ano (a previsão da semana passada era 7,75% ao ano) e 7% ao ano, respectivamente.

Quando o Copom aumenta a taxa básica de juros, a finalidade é conter a demanda aquecida, e isso causa reflexos nos preços porque os juros mais altos encarecem o crédito e estimulam a poupança. Além disso, os bancos consideram outros fatores na hora de definir os juros cobrados dos consumidores, como risco de inadimplência, lucro e despesas administrativas.

Quando o Copom reduz a Selic, a tendência é de que o crédito fique mais barato, com incentivo à produção e ao consumo, reduzindo o controle da inflação e estimulando a atividade econômica.

PIB e câmbio

As instituições financeiras consultadas pelo BC reduziram a projeção para o crescimento da economia brasileira este ano de 4,78% para 4,71%. Para 2022, a expectativa para o Produto Interno Bruto (PIB) – a soma de todos os bens e serviços produzidos no país – é de crescimento de 0,51%. Na semana passada, a estimativa de expansão era de 0,58%. Em 2023 e 2024, o mercado financeiro projeta expansão do PIB de 1,95% e 2,10%, respectivamente.

A expectativa para a cotação do dólar subiu de R$ 5,50 de R$ 5,56 para o final deste ano. Para o fim de 2022, a previsão passou de R$ 5,50 para R$ 5,55.

Poupança bate recorde histórico de saques em novembro, diz BC

Dia 07/12/2021

Com diferença de mais de R$ 12 bilhões entre saques e depósitos, o mês de novembro de 2021 registrou o maior déficit desde o início da série histórica, iniciada em 1995. Os dados são do BC (Banco Central).

No mês passado, segundo os dados informados, a retirada líquida foi de R$ 12,377 bilhões. No mês passado, os depósitos chegaram a R$ 281,713 bilhões e os saques a R$ 294,09 bilhões. Em novembro de 2020, houve mais depósitos do que saques, com saldo positivo de R$ 1,479 bilhão.

De janeiro a novembro, foi registada retirada líquida de R$ 43,157 bilhões. Em 2020, a poupança captou R$ 166,31 bilhões em recursos, o maior valor anual da série histórica, por influência dos depósitos do auxílio emergencial e o aumento do interesse pelo investimento, em meio à crise gerada pela pandemia de covid-19.

RENDIMENTO DA POUPANÇA

Em novembro, o investimento rendeu 0,44% em novembro, segundo o BC. O rendimento ficou abaixo da prévia da inflação, medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo 15 (IPCA-15), que chegou a 1,17%, no mês passado.

De acordo com a legislação atual, a remuneração dos depósitos de poupança é composta pela Taxa Referencial, que está em zero, mais 70% da taxa básica de juros, a Selic, mensalizada. Essa regra vale enquanto a taxa Selic for igual ou inferior a 8,5%. Atualmente, a taxa está em 7,75% ao ano.

Com a Selic acima de 8,5% ao ano, a poupança rende a TR mais 0,5% ao mês. De acordo com a expectativa do mercado financeiro, a Selic deve subir para 9,25% ao ano, na reunião do Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central, responsável por definir a taxa, nesta semana.

Petrobras oferece gás pelo dobro do preço

Dia 11/11/2021

A promessa do governo de promover um choque de energia barata com a abertura do mercado de gás natural ainda neste mandato do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) não será cumprida.

A Petrobras, que ainda abastece a maior parte do mercado, já avisou as distribuidoras e grandes consumidores com contratos vencendo no final deste ano que não haverá renovação e só poderá fornecer o combustível pelo dobro do preço.

Esse movimento da estatal é relevante e terá impacto na economia em ano eleitoral porque, a partir de janeiro, 70% do mercado estará sem contrato, segundo conta das distribuidoras.

A Abegás (Associação Brasileira das Empresas Distribuidoras de Gás Canalizado) avalia formalizar no Cade (Conselho Administrativo de Defesa Econômica) uma reclamação contra a Petrobras por abuso de poder econômico, ferindo cláusulas dos termos de compromisso assinado no ano passado que garantiriam o fim do monopólio neste setor.

Sem alternativa de novos fornecedores, essas empresas continuarão reféns da estatal. No mercado internacional falta combustível, o que fez os preços para importação dispararem. As empresas que produzem aqui só conseguem abastecer 25% da necessidade do mercado. Nem mesmo a Petrobras conseguirá atender todos os interessados.

Segundo a Abegás, a proposta mais vantajosa da estatal prevê o gás a quase US$ 20 por milhão de BTU, o que praticamente dobraria o preço -hoje em US$ 11.

Os contratos propostos pela empresa variam de um mês a quatro anos e o preço sofre um desconto no contrato mais longo. As distribuidoras tentam negociar um de seis anos, com preços entre US$ 10 e US$ 15 por milhão de BTU.

Esses contratos teriam possibilidade de revisões a cada três meses no primeiro ano, caso apareçam novos fornecedores com preços melhores. Ainda não houve acordo.

O gás é insumo fundamental para a indústria de vidro e cerâmicas, e abastece geradoras de energia (termelétricas). Consumidores residenciais teriam um aumento considerável em suas contas. Essa situação prejudica Bolsonaro, que pretendia faturar politicamente com a queda do preço da energia via expansão do uso do gás.

Isso ocorreria porque, no ano passado, a Petrobras assinou um acordo com o Cade (Conselho Administrativo de Defesa Econômica) em que concordou retirar-se do mercado de transporte e distribuição do gás, pondo fim ao monopólio.

A medida foi anunciada pelo governo e o ministério de Minas e Energia e o da Economia celebraram a criação do chamado Novo Mercado do Gás.

Mais empresas se estabeleceriam nesse mercado porque teriam acesso livre aos dutos que antes pertenciam à Petrobras. Poderiam criar empresas pelo país investindo na construção de mais gasodutos. Esse movimento faria a oferta crescer derrubando o preço.

“Mas com venda de ativos [decorrente da abertura do mercado após acordo com o Cade], a Petrobras ficou sem terminal de importações da Bahia por dois anos e ficou sem gás que podia comprar de parceiros dos campos do pré-sal”, diz Augusto Salomon, presidente da Petrobras.

“Basicamente só tem o gás que produz. Desse gás, consome 14 milhões de metros cúbicos por dia em suas atividades”, completa. Outros produtores e importadores privados já têm disputado contratos, mas com volumes insuficientes para substituir a estatal.

Salomon explica ainda que as petroleiras privadas com reservas no país têm pouco interesse em vender gás, porque tomaram decisões de investimento considerando o aumento da produção de óleo e não a distribuição.

Pessoas que participam das negociações afirmam que, por isso, a estatal enviou carta para as distribuidoras, especialmente as do Nordeste, informando que não seria possível renovar os contratos vincendos.

No entanto, a empresa abriu a possibilidade de fornecer o gás em contratos conhecidos como spot (de curto prazo). Nesse tipo de operação, o preço flutua de acordo com a cotação internacional.

O problema é que o preço disparou. Dentre os motivos estão o atraso na construção do novo gasoduto na Rússia, aumento da demanda na Ásia, e a perspectiva de inverno rigoroso no Hemisfério Norte. Em novembro do ano passado, o preço era de US$ 5,27 por milhão de BTU. Hoje, saltou para US$ 27,14.

Esse efeito causou perdas para a Petrobras que, no terceiro trimestre deste ano, registrou lucro líquido de R$ 20 milhões na área de gás e energia, uma queda de 98,5% em relação ao trimestre anterior.

Tradicional fornecedor brasileiro, a Bolívia não tem mais capacidade de ampliar suas entregas, já travadas no limite de 20 milhões de metros cúbicos por dia.

Segundo o analista Rivaldo Moreira Neto, sócio da consultoria Gas Energy, internamente, a produção nacional cresceu menos do que se esperava e, por outro lado, o Brasil está demandando muito gás para despachar usinas térmicas como forma de evitar apagões diante da escassez hídrica.

“A situação é motivo de preocupação mesmo. O problema é real, há uma limitação de oferta global”, diz Moreira Neto. “O mercado foi aberto, mas ainda mantém dependência em relação à Petrobras”.

Estimativas do mercado indicam que os novos fornecedores só poderiam atender cerca de 10% da necessidade de abastecimento do mercado.

“Agora tem que conviver com crise de preço incontornável, porque o preço mudou para o ano que vem. É ano eleitoral, a inflação já está muito alta. O momento é bastante sensível”, diz Moreira Neto.

“Perdemos uma janela de abertura muito importante”, diz Moreira Neto. “Chegamos a acompanhar várias negociações de mercado livre com supridores privados, com preço e oferta na mesa, mas os agentes não conseguiram assinar contratos.”

Consultada, a Petrobras não confirmou se reajustará os novos contratos. Por meio de sua assessoria, a empresa informou que “cumprirá os contratos firmados com os diversos clientes”. “A Companhia está participando de processos de chamadas públicas das Companhias Distribuidoras Locais considerando a sua disponibilidade de gás”, disse a empresa em nota.

A companhia explica que houve redução de oferta “em função do cumprimento dos compromissos do TCC com o Cade, notadamente a redução da restrição importação da Bolívia em cerca de 10 milhões de m³/dia e o arrendamento do Terminal de Regaseificação da Bahia (TRBA), além de desinvestimentos em campos de produção”.

Paraná sem pedágios por quase um ano

Dia 09/11/2021

Sabe a rodovia 277? Essa que começa no litoral do Paraná, em Paranaguá, e termina em Foz do Iguaçu (ou vice e versa)? Pois ela, que rasga a Cantuquiriguaçu, e outras das principais vias do estado, onde o pedágio para automóvel custa até R$ 26, terão tráfego gratuito a partir de 28 de novembro. E a previsão é de que isso se estabeleça por um ano aproximadamente.

O caso

Isso deve-se ao fato do governo federal ter adiado, no dia 10 de outubro, o cronograma para a assinatura de novos contratos de concessão de estradas do “anel de integração” do Paraná. A expectativa até então era de que esses contratos fossem firmados ainda no 2º semestre de 2022. Com o adiamento, só será possível a partir do último trimestre do próximo ano. Vale lembrar que os contratos em vigor expiram no fim deste mês.

As cancelas abertas já foram confirmadas pelo governador Ratinho Junior.

 “Esse formato que tanto mal fez ao estado não fica um segundo a mais no Paraná”, afirmou ainda. Ele recordou que as concessionárias não concluíram obras e que houve casos de corrupção nos quais elas se envolveram. Ratinho garantiu que, durante o período sem contratos, o governo estadual fará a manutenção das rodovias.

Pedágio na Cantu

A região da Cantu é composta por 19 municípios. Destes, 8 são cortados pela rodovia-277: Catanduvas, Guaraniaçu, Ibema, Nova Laranjeiras, Laranjeiras do Sul, Virmond, Cantagalo e Candói. Até então, eram duas cabines de pedágio nesse percurso: em Laranjeiras e em Candói. Portanto, para quem gosta de viajar para Guarapuava e Cascavel, ficará mais barato – apesar do preço altíssimo da gasolina. Nesta última cidade citada, inclusive, existe um outro posto de cobrança que, obviamente, também estará desativado.

Deputado pede o fim da tarifa mínima de água e esgoto da Sanepar

Dia 19/10/2021

O deputado estadual Soldado Fruet (PROS) pediu a extinção imediata da cobrança da tarifa mínima de água e esgoto da Companhia de Saneamento do Paraná (Sanepar) e propôs que a empresa cobre só os valores efetivamente utilizados.

A solicitação foi formalizada em requerimento ao secretário chefe da Casa Civil, Guto Silva; ao diretor-presidente da Sanepar, Claudio Stabile; e ao diretor-presidente da Agência Reguladora do Paraná (Agepar), Reinhold Stephanes.

“Diferente da energia elétrica, do gás ou de qualquer outro serviço, na Sanepar não se paga pelo que se gasta e sim pelo que a empresa decide cobrar”, destacou, em discurso na sessão plenária da segunda-feira (18) na Assembleia Legislativa do Paraná.

“Em plena crise hídrica, onde a Sanepar investe milhões em publicidade pedindo que se economize água, quem faz isso não tem nenhum benefício”, apontou o deputado, que exemplificou: “uma família economiza o máximo possível e gasta, por exemplo, três metros cúbicos de água; independentemente dessa economia e de atender o pedido da Sanepar, irá pagar por cinco metros cúbicos, que é a tarifa mínima”.

Segundo ele, “além de pagar pela água que não usou ou que economizou, ainda paga uma tarifa desproporcional pelo serviço de esgoto, que é cobrado em razão do consumo de água, mas sempre acima da tarifa mínima”. O parlamentar ressaltou que “economizando ou não, as famílias pagarão sempre o valor mínimo imposto pela Sanepar”.

O Líder do PROS na Assembleia Legislativa lembrou que, em audiência pública recente na Câmara Municipal de Curitiba, representantes da empresa afirmaram que há vários meses já pediram que a Agepar aprove o fim da taxa mínima e do custo de ligação.

“Parece um absurdo que a Agepar, agência reguladora cuja diretoria é indicada pelo governador, não tenha tomado uma decisão em benefício de todo o povo paranaense, afinal ela existe justamente para garantir o direito do cidadão paranaense”, considerou. Para o parlamentar, apesar de a Sanepar ser uma empresa de economia mista, sua função social e o controle acionário mantido pelo Estado servem para justificar decisões benéficas aos usuários. 

Função social

Soldado Fruet disse que lutará por esse direito dos paranaenses. “Não é justo pagar pelo que não se usa, só para garantir que ao final de cada ano, R$ 1 bilhão vão para o bolso dos acionistas”, afirmou. Ele lamentou ainda que o Estado possua apenas três unidades das mais de um bilhão de ações preferenciais da Sanepar, cujos rendimentos são maiores. “Apesar de manter o controle acionário, detendo 60,08% das ações com direito a voto, o Estado hoje detém apenas 20,03% do capital total da empresa”, detalhou. Na análise do deputado, “realmente é o fim da função social da Sanepar”.

Petrobras anuncia novo aumento da gasolina e do gás

Dia 09/10/2021

A Petrobras anunciou na sexta-feira, 08, aumento de 7,2% no preço médio de sua gasolina para as distribuidoras, a R$ 2,98 reais por litro, refletindo reajuste médio de 20 centavos/litro, declarou a empresa.

Segundo a companhia, o reajuste da gasolina aconteceu após 58 dias de estabilidade.

A companhia afirmou que a elevação reflete os patamares internacionais de preços de petróleo, "impactados pela oferta limitada frente ao crescimento da demanda mundial", e a taxa de câmbio, "dado o fortalecimento do dólar em âmbito global".

De acordo com a companhia, esses ajustes "são importantes para garantir que o mercado siga sendo suprido em bases econômicas e sem riscos de desabastecimento pelos diferentes atores responsáveis pelo atendimento às diversas regiões brasileiras".

A companhia ainda anunciou alta no gás de cozinha (GLP), de R$ 3,60 para R$ 3,86 reais por kg.

Câmara discute sobre preço dos combustíveis

Dia 05/10/2021

O presidente da Câmara dos deputados, Arthur Lira (PP-AL), disse no dia 1º de outubro, que vai passar o final de semana em tratativas para buscar soluções para reduzir o preço dos combustíveis. Lira se reuniu com o presidente Jair Bolsonaro e o ministro da Economia, Paulo Guedes, para debater o tema, bem como as pautas da agenda econômica.

“Em reunião com o presidente Bolsonaro e com o ministro Paulo Guedes para discutirmos não somente o preço dos combustíveis como a pauta da economia. Como eu disse aos líderes, passaremos o final de semana em conversas e tratativas”, publicou Lira em seu perfil no Twitter. 

O presidente da Câmara foi recebido no Palácio da Alvorada, em encontro que não constava da agenda oficial do presidente Jair Bolsonaro. Os sucessivos aumentos no preço dos combustíveis tem pressionado a inflação.

No último dia 28 de setembro, Lira disse que vem discutido com líderes da base do governo propostas que busquem melhorar a composição de preços dos combustíveis. Segundo ele, a iniciativa visaria conter os aumentos e manter os preços mais estáveis diante das variações do dólar e do barril do petróleo. Entre as propostas em discussão, estão a criação de um fundo e uma proposta de unificação da alíquota do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) incidente sobre os combustíveis.

Lira lembrou que a Câmara aprovou a proposta que reduz o preço do botijão de gás para famílias com baixa renda, por meio do programa Gás Social. Pelo texto aprovado, o valor do benefício deve ser fixado semestralmente e será referente à metade da média do preço nacional de um botijão de 13 quilos de gás liquefeito de petróleo (GLP). A proposta ainda precisa ser votada pelo Senado, antes de ser sancionada ou vetada pelo presidente Jair Bolsonaro.

“Com todo gás, seguimos na luta pela redução nos preços dos combustíveis, mas já temos decisões práticas. A Câmara aprovou o Gás Social, que corta pela metade o preço do botijão para famílias com baixa renda” , disse Lira por meio de suas redes sociais.

envie para um amigo ...... comente está matéria........ imprimir a matéria

Últimas Notícias
 
Editoria Ano Mês
 
 

É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site, em qualquer meio de comunicação eletrônica ou impresso, sem a devida autorização escrita ou via
e-mail do site Iguaçu Notícias.

 

 


1

1

1

1
1
1

1
1

1

1

1