/

/

/

/

/

/

/

/

/

/

/

/

/

1

1

1

1

1


1

1

1


 









Regional

Caminhoneiros iniciam paralisação no sudoeste do Paraná

Dia 18/01/2017

Caminhoneiros da região Sudoeste do Paraná iniciaram no dia 18 às 6 horas da manhã, uma paralisação na PR-182, em Realeza. A decisão foi tomada durante assembleia da categoria realizada na noite de segunda-feira (16), também naquela cidade.

O Presidente do Sindicato dos Transportadores Autonomos do Sudoeste, Gilberto Gomes da Silva   disse que a principal reivindicação da categoria é o preço do frete, que está defasado e acaba inviabilizando o transporte.

Com relação ao comportamento na rodovia, Gilberto disse que caminhoneiros que transportam grãos serão convidados a permanecer parados, os demais transportadores podem seguir viagem, bem como carros de saúde e de passeio. A paralisação no Sudoeste tem origem a partir de um movimento iniciado na sexta-feira (13), em Rondonópolis (MT).

O caminhoneiro Idair Parizoto, ligado ao Sindicato diz que os motoristas do Sudoeste já estão se organizando para interdição da BR-163. “É uma mobilização em apoio a manifestação que se iniciou lá em Rondonópolis e que vai se estender. Nós temos informação de que o Rio Grande do Sul está mobilizado em dois ou três pontos”, afirma.

Segundo ele, desta vez os caminhoneiros não irão “afrouxar” e cair na conversa do governo sobre a lei que estabelece o preço mínimo do frete e que até agora não saiu do papel. Um projeto tramita em comissões da Câmara dos Deputados, mas ainda não há previsão de quando será aprovado em plenário.

Rio Bonito compra 887 pneus para 146 veículos

Dia 17/01/2017

O Tribunal de Contas do Estado do Paraná (TCE-PR) julgou irregular a despesa na compra de pneus, no valor de R$ 706.04,60, realizada pelo Município de Rio Bonito do Iguaçu. Devido à irregularidade das contas, o Tribunal multou o prefeito Irio Onélio de Rosso e a controladora interna, Sirlei Biranoski Boarolli, em 40 vezes o valor da Unidade Padrão Fiscal do Estado do Paraná (UPF-PR).

O sistema de acompanhamento online dos atos de gestão, operado pela Coordenadoria de Fiscalização Municipal (Cofim), apontou a compra de 887 pneus, enquanto a frota municipal era composta por 146 veículos, em 2014, e 124, em 2015.

O relator do processo, conselheiro Nestor Baptista, ressaltou que a inadequação do controle patrimonial dos bens municipais impossibilita constatar quantos veículos receberam pneus novos e quais os motivos das trocas. Segundo o relator, essas informações são imprescindíveis à otimização dos gastos e à persecução de eficiência na gestão dos recursos públicos.

Os conselheiros acompanharam, por unanimidade, o voto do relator pela aplicação da multa, fundamentada no inciso IV, artigo 87, da Lei Orgânica do Tribunal (Lei Complementar nº 113/2005). A decisão ocorreu na sessão da Segunda Câmara de 30 de novembro. Os prazos para recursos passaram a contar a partir da publicação do acórdão nº 5837/16, na edição nº 1.503 do Diário Eletrônico do TCE-PR, veiculada em 15 de dezembro.

Van de Quedas é destruída por incêndio

Dia 13/01/2017

Socorristas do Corpo de Bombeiros de Coronel Vivida foram deslocados para a PR-562 (rodovia Paulino Stédile), trecho que liga Coronel Vivida a Honório Serpa, para atender um incêndio em veículo.

No local da ocorrência, já próximo a cidade de Honório Serpa, os bombeiros encontraram um veículo Van com placas de Quedas do Iguaçu destruída pelo fogo. O veículo era dirigida por Raphaela Thaysa de Paula, 22 anos de idade, e estava carregada com peças de roupas que ela transportava de Quedas do Iguaçu para uma fábrica de jeans, em Honório Serpa.

Quando o corpo de bombeiros chegou ao local do sinistro, a motorista já não estava mais ali. Ela não se feriu, mas passou mal ao ver o veiculo completamente queimado e foi levada por populares até o hospital de Honório Serpa. Uma pane elétrica deve ter sido a causa do incêndio.

Fusão de cidades pode afetar Cruzeiro do Iguaçu


Prainha da cidade vizinha de Cruzeiro do Iguaçu

Dia 12/01/2017

A população seria muito melhor atendida pelos serviços públicos básicos se habitasse municípios com uma base econômica mais diversificada e fontes sólidas de receita própria. A constatação é de um estudo técnico realizado por analistas do Tribunal de Contas do Estado do Paraná (TCE-PR). O trabalho, intitulado Estudo de Viabilidade Municipal (EVM), foi apresentado em entrevista coletiva à imprensa no dia 11, pelo presidente da corte, conselheiro Ivan Bonilha.

Muitos dos municípios que, atualmente, têm nas transferências federais a maior parte ou a totalidade de suas receitas, por não terem condições econômicas próprias de se sustentar, foram criados ao longo da década de 1990. "Essa viabilidade não existe mais", argumenta Bonilha. "A realidade hoje é de enxugamento de despesas, de redução da máquina, para a aplicação dos recursos nas áreas que são mais necessárias ao cidadão, como saúde, educação, segurança."

Variáveis

O levantamento, realizado por quatro servidores do TCE-PR, foi consolidado num relatório de 136 páginas. A constatação é que municípios com população inferior a 5.000 habitantes podem não apresentar condições de receber significantes responsabilidades públicas. "Isso reforça a importância da discussão sobre emancipação de municípios, bem como sobre a própria necessidade de se considerar a possibilidade de consolidação (fusão) de municípios", apontam os autores.

No Paraná, há 96 municípios com população inferior a 5.000 habitantes - 24% do total, de 399. Em todo o País são 1.300 municípios nessa condição. O estudo conclui também que os municípios paranaenses na faixa entre 50 mil e 250 mil habitantes são os que apresentam os melhores índices de desenvolvimento e de qualidade de vida da sua população.

De acordo com o EVM, a instalação de novos municípios carece, no País, de uma análise aprofundada de sua capacidade em atender às demandas futuras da população. "Pois assim como (...) sociedades empresariais (...) devem demonstrar que suas atividades não provocam potencial dano ao meio ambiente (...) o Poder Público, com muito mais razão, deve demonstrar à sociedade que as criações de novos entes federativos não ocasionarão prejuízo à população interessada."

Titular da Coordenadoria de Informações Estratégicas do TCE-PR, Andre Luiz Fernandes, que coordenou o estudo, destaca que a variável "viabilidade econômica" tem de ser levada em conta quando se pensa em criar um Município. "Quando se avaliam os gastos em educação e saúde, percebe-se que há um ganho de escala na prestação de serviço. Ou seja: à medida que a população aumenta, cai o custo unitário", observa.

Debate

De acordo com Bonilha, a proposta do estudo é suscitar uma discussão nacional sobre a viabilidade econômica, fiscal e social de municípios muito pequenos. Com o EVM, o TCE-PR apresenta subsídios técnicos ao debate, num momento em que as dificuldades de caixa dos entes federativos estão em evidência. "Essa é uma discussão que toca de perto o cidadão. É preciso reduzir o dinheiro que se gasta com a estrutura do poder público, como vereadores, secretários e a máquina e direcionar esse recurso para a prestação de serviços de qualidade em educação, saúde e segurança".

Com o objetivo de ampliar o diálogo sobre a questão, uma cópia do EVM foi encaminhada ao Tribunal de Contas da União em novembro passado. Bonilha também manteve contatos com o ministro Benjamin Zymler e com o atual presidente da corte, ministro Raimundo Carreiro. "Existe a possibilidade de fusão e incorporação de municípios, o que seria feito com base em estudos técnicos. O que queremos é oferecer bons serviços ao cidadão", observa o presidente do TCE-PR.

A legislação que, atualmente, disciplina a fusão e incorporação de municípios é de competência federal. Segundo Bonilha, seria importante a sua flexibilização, o que permitiria, por exemplo, a mudança da responsabilidade ativa da proposta. Uma opção que se coloca é que a iniciativa parta, por exemplo, dos deputados estaduais. Não há, contudo, um modelo pronto. Este surgiria a partir do debate.

No Sudoeste, nove municípios teriam de ser incorporados aos municípios-mãe

Se o estudo do Tribunal de Contas do Estado do Paraná (TCE) for acatado pelo Congresso Nacional e a Assembleia Legislativa, dez municípios da região Sudoeste deixariam de existir por terem menos de cinco mil habitantes. Eles teriam de ser incorporados pelos municípios dos quais se desmembraram. Mas a proposta, polêmica, dificilmente será acatada por deputados estaduais, federais e senadores.

O secretário executivo da Associação dos Municípios do Sudoeste do Paraná (Amsop), José Kresteniuk, considera polêmica a ideia do TCE. Ele observa que há municípios que foram criados em que a situação econômica é melhor que o município-mãe. Para Kresteniuk, "no fundo houve desenvolvimento" destes municípios. Ele, inclusive, compara os novos municípios do Sudoeste com os do Nordeste do Brasil. "A situação nossa (dos novos da região) é melhor que do Nordeste", disse.

Município como Bom Sucesso do Sul se consolidou com uma boa estrutura urbana e grande produção de grãos. Cruzeiro do Iguaçu tem grande produção de grãos, aves e tem uma pequena central hidrelétrica (PCH) e passará a contar com uma Central de Geração Hidrelétrica (CGH). As geradoras garantem ao Município o repasse de ICMS pela venda da energia elétrica.

Flor da Serra do Sul tem sua economia baseada na agricultura familiar e a Prefeitura recebe valores a mais no ICMS porque mantém ações de preservação ambiental do Rio Marrecas, que abastece a população urbana de Francisco Beltrão.

Municípios com menos de cinco mil habitantes, se voltassem para o município-mãe e o total da população não alcançasse dez mil habitantes, de nada adiantaria em termos de recebimento de recursos financeiros do Governo Federal. Kresteniuk lembra que o índice de repasses de recursos financeiros é o mesmo para municípios com até dez mil habitantes. Um caso seria o de Manfrinópolis e Salgado Filho, que juntos passariam a ter 6.979 habitantes.

O secretário executivo da Amsop, no entanto, acha que as estruturas dos municípios menores poderiam ser mais enxutas. As câmaras de vereadores poderiam ter menos integrantes. Outro problema é que a legislação estabelece uma série de exigências ao poder público, que acaba tornando pesada a estrutura do Executivo e do Legislativo.

Pinhal de São Bento propõe a redução do número de vereadores

Dos dez municípios do Sudoeste que seriam extintos, segundo o estudo do TCE, o penúltimo em população é Pinhal de São Bento, com 2.749 habitantes, conforme a última estimativa do IBGE. Desmembrado de Santo Antonio do Sudoeste em 1º de janeiro de 1993, já teve cinco eleições municipais. Jaime Carniel, atual prefeito que assumiu neste 1º de janeiro pela terceira vez, fez parte da comissão pró-emancipação, no fim dos anos de 1980.

"Se não tivesse criado o Município, hoje aqui não teria dez casas. E veja a estrutura que temos hoje. Nossa patrulha rodoviária é das melhores do Estado", diz o prefeito.

Ele também aponta o acesso asfaltado, que liga Pinhal de São Bento com o restante do Estado através de Ampere. "Se não tivesse criado o Município, não teríamos esse asfalto."

Carniel não acredita que um projeto como esse seja aprovado pela Assembleia mas, se houver tentativa, ele diz que vai trabalhar para não permitir. "Ficaria muito ruim. Teria que voltar a Santo Antônio do Sudoeste, a 40 quilômetros daqui."

O chefe de gabinete, ex-vice-prefeito Rudinei Briedes, questiona os gastos provocados por determinação do TCE. Um deles é a desvinculação da Câmara de Vereadores da Prefeitura. "Em vez de 29 mil por mês, vamos gastar 58 mil", ele observa.

Tanto Briedes como o prefeito Jaime Carniel concordam em reduzir custos dos pequenos municípios com menos vereadores. Por que 9 vereadores para 3 mil habitantes. Podia ser 5 ou até menos.

Carniel também questiona como ficaria o funcionalismo público, em caso de uma incorporação. Pinhal de São Bento tem cerca de 150 funcionários concursados. "Quem iria assumir?"

No início da entrevista, Briedes exclamou "Deus o livre, se isso acontecer tamos lacados, é o fim". Mas no encerramento ele ponderou que não acredita que aconteça uma fusão ou incorporação.

Municípios do Sudoeste com menos de 5 mil habitantes

Flor da Serra do Sul        4792
Cruzeiro do Iguaçu          4373
Salgado Filho                   4072
Bela Vista da Caroba      3811
Bom Jesus do Sul            3755
Bom Sucesso do Sul       3361
Sulina                           3329
Manfrinópolis                    2907
Pinhal de São Bento       2749
Boa Esp. do Iguaçu         2694

Os dez municípios não são os últimos em densidade demográfica

Os dois últimos municípios do Sudoeste em densidade demográfica não estão entre os dez que possuem menos de 5 mil habitantes. O último é Coronel Domingos Soares com 4,08 e o penúltimo, Honório Serpa, com 11,62. Aí aparece Manfrinópolis com 13,90 depois mais dois com mais de 5 mil habitantes: Mangueirinha com 16,17 e Renascença com 16,43 habitantes por km quadrado.

Seguem mais quatro do quadro acima: Bom Sucesso do Sul com 17,18, Boa Esperança do Iguaçu com 18,01, Flor da Serra do Sul com 18,87 e Sulina com 19,46 habitantes por km quadrado, está em 34º lugar.

Nesta classificação, Bom Jesus é o 32º, Salgado Filho o 30º, Bela Vista da Caroba o 24º, Cruzeiro do Iguaçu o 23º e Pinhal de São bento o 21º.

O primeiro em densidade populacional é Pato Branco com 144,96, seguido de Francisco Beltrão com 116,30, Dois Vizinhos com 92,74, Barracão com 62,11 e Ampere com 61,87. (IBGE 2014).

PRF prende grupo suspeito de assaltar motoristas na 277

Dia 04/01/2017

Policiais rodoviários federais prenderam suspeitos de praticar assaltos a motoristas em rodovias da região oeste do Paraná. O veículo em que o grupo estava foi abordado na madrugada desta quarta-feira (4) em um trecho da BR-163 em Santa Tereza do Oeste.

Segundo os agentes, o motorista não obedeceu a ordem para parar e tentou fugir. O automóvel foi interceptado em seguida e vistoriado. No interior foi encontrado um revólver e uma porção de maconha. E, entre os quatro ocupantes estão uma mulher de 22 anos e um adolescente de 17. Os adultos foram presos e o menor apreendido.

A prisão foi feita depois de uma série de assaltos registrados no trecho da BR-277 entre Foz do Iguaçu e Santa Tereza do Oeste. Somente em dezembro, foram 15 casos, segundo a PRF. E, na madrugada de terça (3), uma família de Santa Catarina que viajava para fazer compras no Paraguai foi mantida refém e teve cerca de R$ 5 mil levados pelos ladrões. Um dos carros usados pelos assaltantes foi encontrado incendiado na área rural próximo à praça de pedágio de São Miguel do Iguaçu.

A PRF acredita que vários grupos de assaltantes estejam atuando na região. E que são auxiliadas pelos mesmos “olheiros” que servem as quadrilhas de contrabandistas e de traficantes de drogas. “É um crime de difícil enfrentamento, já que nossa região é bem servida de estradas rurais em bom estado de conservação”, observou o inspetor Luiz Gênova ao explicar como os ladrões atuam.

PRF registra 30 mortes em acidentes nos feriados de fim de ano no PR

Dia 03/01/2017

A Polícia Rodoviária Federal (PRF) registrou 324 acidentes e 30 mortes nas rodovias federais do Paraná durante os feriados de fim de ano.   Outras 340 pessoas ficaram feridas neste período. Dos 324 acidentes, 20 causaram mortes. Cinco deles causaram metade do número de óbitos registrados no período.

O acidente mais grave foi registrado no sábado (31), na BR-272, em Goioerê, no noroeste do Paraná. Uma batida entre um carro e um caminhão provocou cinco mortes e deixou outras duas pessoas feridas.

envie para um amigo .... comente está matéria....... imprimir a matéria


Últimas Notícias
 
Editoria Ano Mês
 
 

É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site, em qualquer meio de comunicação eletrônica ou impresso, sem a devida autorização escrita ou via
e-mail do site Iguaçu Notícias.

 

 


1

1

1

1

1

1
1

1

1

1

1

1

1

1