/

/

/

/

/

/

/

/

/

/

/

/

/

1

1

1

1

1


1

1

1


 









Política

Rossoni e Paulo Litro visitam Quedas do Iguaçu

Dia 04/05/2017

O deputado Estadual Paulo Litro e o secretário Chefe da Casa Civil do Paraná, Valdir Rossoni, visitam o município de Quedas do Iguaçu, nesta quinta-feira (04). Eles se reunirão às 15 horas com a prefeita Marlene Revers para discutirem as necessidades do município e como o Governo do Estado pode ajudar.

No Paraná 80 mil eleitores podem perder o título

Dia 25/04/2017

O eleitor, que não votou e não justificou a ausência nas três últimas eleições ou não pagou as multas correspondentes, tem até 2 de maio para regularizar sua situação junto à Justiça Eleitoral. Após essa data, os eleitores correm o risco de ter o título cancelado.

Em todo o país, 1.897.000 eleitores estão com os títulos irregulares por ausência nas três últimas eleições. No Paraná são 80 mil eleitores nesta situação.

Para fazer a regularização, o eleitor deverá apresentar no cartório eleitoral documento oficial com foto, comprovante de residência e, se possuir, título eleitoral e os comprovantes de votação, de justificativa ou de quitação de multa.

Fonte: CBN

Em baixa no Paraná, Gleisi cola em Lula e vira aposta nacional do PT

Dia 18/04/2017

A senadora Gleisi Hoffmann (PT) vive momentos bastante distintos no Paraná e em âmbito nacional. Enquanto a paranaense é apontada como uma das principais apostas do partido para o seu projeto de “reconstrução”, a petista vem perdendo espaço no estado que a projetou e no qual começou sua militância política. Em meio a novas denúncias relacionadas à Lava Jato – que apontam que campanhas de Gleisi receberam dinheiro de caixa 2, a estratégia da paranaense parece clara: colar na popularidade do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Candidata

Na semana passada, Gleisi lançou sua candidatura oficial à presidência do PT – que disputará com o senador Lindbergh Farias. A paranaense é a apoiada pela Construindo um Novo Brasil (CNB) – corrente majoritária do partido – e pelo próprio Lula. Em carta aberta publicada no site do PT e em redes sociais, Gleisi defende o fortalecimento do partido e a “volta de Lula” nas eleições de 2018. No texto, ela evoca “avanços sociais” consolidados pelo ex-presidente.

“Por isso é preciso Lula de Volta! Pra fazer o que já foi feito e muito mais. Resgatar o sentimento de Nação, de esperança e orgulho do povo brasileiro”, escreveu.

Um dos expoentes da CNB, o deputado federal José Guimarães defende a candidatura de Gleisi, classificando a paranaense como “uma mulher, guerreira, parlamentar brilhante e integrante de uma geração de petistas forjada na convivência com Lula”. Para ele, a militante deve simbolizar a renovação do partido. “A candidatura da senadora Gleisi Hoffmann representa, portanto, um firme compromisso da CNB com as mudanças efetivas no PT”, escreveu o parlamentar.

No Paraná

Apesar do destaque conquistado em âmbito nacional, Gleisi parece, cada vez mais, perder forças no Paraná. As denúncias envolvendo a petista e o marido dela, Paulo Bernardo, parecem ter tido mais impacto aqui no estado.

O capítulo mais recente desta história foi escrito no último domingo (9), quando o partido elegeu presidentes para seus diretórios municipais. Em Curitiba, a eleição foi vencida pelo bancário André Machado Castelo Branco, ligado à corrente que apoia a candidatura de Lindbergh Farias.

Nem mesmo o fato de a senadora ter vindo a Curitiba e feito uma via crucis pelas zonas eleitorais foi capaz de impedir a vitória do candidato ligado a seu adversário.

Nas duas últimas eleições majoritárias de que participou – para a prefeitura de Curitiba, em 2008, e ao governo do Paraná, em 2014 – Gleisi terminou derrotada. Na corrida ao Palácio Iguaçu, a petista teve apenas 14% dos votos. Na disputa pelo comando da capital paranaense, ficou com 18%.

Investigação na Lava Jato

Em meio à disputa pela presidência nacional do PT, ambos os candidatos – Gleisi e Lindbergh – se veem atingidos por novas denúncias. Ambos estão entre os políticos que serão investigados sob autorização do ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal (STF). As denúncias em relação à paranaense apontam que campanhas de Gleisi teriam recebido dinheiro de propina, via caixa dois, intermediada por Paulo Bernardo. Segundo os delatores, pelo menos R$ 2 milhões foram destinados ao financiamento de eleições em que a petista concorreu.

envie para um amigo ...... comente está matéria........ imprimir a matéria


Últimas Notícias
 
Editoria Ano Mês
 
 

É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site, em qualquer meio de comunicação eletrônica ou impresso, sem a devida autorização escrita ou via
e-mail do site Iguaçu Notícias.

 

 


1

1

1

1

1

1
1

1

1

1

1

1

1

1